Blitz News
Notícias
Saúde
Síndrome da Mão-Pé-Boca: o que é isso?

Síndrome da Mão-Pé-Boca: o que é isso?

Data: 26/03/2018

Nas últimas semanas, muitos pais de crianças pequenas receberam este diagnóstico: seu filho(a) está com a Síndrome da Mão-Pé-Boca. Quem ainda não sabe do que se trata, leva um susto. Vamos entender.

A Síndrome da Mão-Pé-Boca é uma infecção causada por um vírus do grupo Coxsackie que, caracteristicamente produz lesões como bolinhas de água com uma base vermelha nas mãos, nos pés e lesões esbranquiçadas dentro da boca. Outros locais como o bumbum, por exemplo, também podem ser acometidos. Menos intensamente observamos lesões nos braços e pernas. Palmas das mãos, dedinhos, planta dos pés e boca são os locais mais frequentemente atingidos. Daí deriva o nome da doença.

O quadro geralmente tem início com febre, que pode ser alta. Algumas crianças chegam a apresentar mais de 39ºC de febre, o que certamente deixa os pais muito apreensivos. Essa febre pode durar de 2 a 3 dias. Importante observar que quando a febre cede, o estado geral das crianças é bom. Geralmente, elas conseguem brincar e ficam bem dispostas até a próxima elevação da temperatura.

Depois de dois ou três dias de febre, surgem as lesões características. O diagnóstico é feito pelo pediatra com a história e o exame físico da criança. Não estão indicados exames de imagens ou de laboratório

Esta síndrome é bastante contagiosa, e as crianças com menos de 5 anos de idade são as mais suscetíveis.

A Síndrome da Mão-Pé-Boca tem curso benigno na imensa maioria das vezes e sara sozinha em até 7 dias. O grande desafio para os pais, mães e cuidadores é fazer crianças com muitas lesões na boca se alimentarem direito. No entanto, a grande vantagem é que depois que tudo passa vem a fome e os que perderam um pouquinho de peso tem chance de recuperar rapidinho.

Importante saber que tem teve uma vez pode ter de novo, pois há vários sorotipos deste vírus e a imunidade que se adquiriu para um deles não necessariamente servirá para outro. Não há vacina. A doença evolui, na imensa maioria das vezes, sem sequela nenhuma.

Publicidade